Essays / s /

Caramulo Motorfestival 2016

Desde há vários anos, que na serra do caramulo, se realiza um dos maiores festivais motorizados portugueses, o caramulo motorfestival. Todos os anos chegavam noticias, através de amigos, que o festival era uma experiência que valia a pena ser vivida e, este ano, resolvi fazer-me a estrada a caminho da vila do caramulo, na serra com o mesmo nome. À chegada já se avistava imenso público, que a organização fazia circular de forma ordenada, para que entrassem no circuito os automóveis clássicos e motos que chegavam de norte a sul do país. O ambiente era fantástico e a energia, juntamente com o cheiro e o barulho dos clássicos, faziam com que a experiência começasse da melhor maneira. Ao fundo, no centro da vila, os sons de arranques rasgavam o burburinho da movimentação do público, pois a rampa histórica já estava no começo da primeira série de subidas. A estrada, que horas antes servia apenas para o trânsito normal, tornava-se num dos mais simples desportos motorizados de sempre, a rampa. Com 2,8 km de extensão e com o objectivo de a fazer o mais rápido possível, automóveis clássicos, desportivos e de competição alinham-se na partida e arrancam para o circuito com as suas curvas rápidas e duas rectas onde atingem grandes velocidades, terminando no cabeço da neve, no topo da serra. Na zona de paddock, pilotos reencontram-se, discutem-se tempos e comparam-se tempos de outros anos, enquanto se afinam os motores para a próxima subida. Com esta experiencia tive oportunidade de fotografar alguns dos meus automóveis favoritos e trocar algumas palavras com os pilotos e coleccionadores, como o AC Cobra, Lamborghini Miura P400 ou Corvette Stingray de 1969, entre outros. Dois dias de muita adrenalina, com a sintonia dos motores como fundo.